sábado, setembro 30, 2006

A Dama do Lago

Caminhei às margens do lago
Para ir ao teu encontro.
Quando lá cheguei, pus-me a observar
As águas em que resides.
Esperei que a Lua atingisse
Os píncaros do firmamento
Para que tua presença se fizesse.
O olho prateado da noite
Subiu ao ponto mais alto do céu
E irradiou toda sua luz cálida
Sobre a lâmina do lago.
Uma música se fez ouvir
Por toda a extensão daquela clareira.
As águas iniciaram um movimento
E do fundo emergiste, bela e sublime,
Delicada e formosa.
"Dama do Lago, como é bela
Tua visão nesta noite iluminada
Pelos raios argênteos da Lua!"
Disse eu à Senhora daquelas águas.
"Aguardava por tua chegada,
Meu Bardo amado.
Agora vem, molha os teus pés
E adentra em meu reino.
Vem comigo, pois eu te levarei
Para visitares o fundo do lago
E te ensinarei sobre os mistérios das profundezas".
Assim falou-me a Dama das Águas.
Retirei minhas sandálias e me desfiz
De minha túnica e capuz cor da noite.
Desnudei-me e adentrei no lago.
A Dama amparou-me com suas níveas mãos
E juntos mergulhamos naquele reino
A mim desconhecido.

Awmergin, o Bardo
Em: 29/09/2006

Um comentário:

Anja Selvagem disse...

Eu adorei seu blog! Não sei se tem a ver, mas pensei nessa música ao ler "A dama do lago":

Agora
Arnaldo Antunes
Composição: Arnaldo Antunes / Titãs

AGORA QUE AGORA É NUNCA
AGORA POSSO RECUAR
AGORA SINTO MINHA TUMBA
AGORA O PEITO A REBUMBAR

AGORA A ÚLTIMA RESPOSTA
AGORA QUARTOS DE HOSPITAIS
AGORA ABREM UMA PORTA
AGORA NÃO SE CHORA MAIS

AGORA A CHUVA EVAPORA
AGORA AINDA NÃO CHOVEU
AGORA TENHO MAIS MEMÓRIA
AGORA TENHO O QUE FOI MEU

AGORA PASSA A PAISAGEM
AGORA NÃO ME DESPEDI
AGORA COMPRO UMA PASSAGEM
AGORA AINDA ESTOU DAQUI

AGORA SINTO MUITA SEDE
AGORA JÁ É MADRUGADA
AGORA DIANTE DA PAREDE
AGORA FALTA UMA PALAVRA

AGORA O VENTO NO CABELO
AGORA TODA MINHA ROUPA
AGORA VOLTA PRO NOVELO
AGORA A LÍNGUA EM MINHA BOCA

AGORA MEU AVÔ JÁ VIVE
AGORA MEU FILHO NASCEU
AGORA O FILHO QUE NÃO TIVE
AGORA A CRIANÇA SOU EU

AGORA SINTO UM GOSTO DOCE
AGORA VEJO A COR AZUL
AGORA A MÃO DE QUEM ME TROUXE
AGORA É SÓ MEU CORPO NU

AGORA EU NASÇO LÁ DE FORA
AGORA MINHA MÃE É O AR
AGORA EU VIVO NA BARRIGA
AGORA EU BRIGO PRA VOLTAR

AGORA

bjos, Anja Selvagem.