segunda-feira, maio 22, 2006

Olhos Verdes



Na luz de teus verdes olhos
Fixo meu olhar
E neles perco-me.
Quando miro os olhos teus
Sinto-me contemplar
Sagradas esmeraldas,
Cuja luz hipnotiza.
A luz que emana
De teu olhar é como
O reflexo da luz
Do Sol nas folhas
Virgens das árvores
Num cair de tarde na Primavera.
Awmergin, o Bardo
Em: 21/05/2006, às 17:30h

3 comentários:

Márcia Gabrielle Dantas disse...

Olá amigo!
Bom te encontrar por aqui!
Os olhos sempre janelas de muita alma e sonho, eles são fontes mesmo para muita inspiração!
Bom poema!

:***

Anônimo disse...

Bardo, poeta alado...! Certa vez tu me disseste: "Acho que os poetas não nascem para serem amados, mas apenas para amar e cantar àqueles a quem amam..."
Eu concordo contigo em parte. Digo-te que te amo, com um amor puro e sutil. Tua alma é sensível como a pétala de uma rosa e teu coração é uma tocha. Saiba que te admiro muito.
Continue a cantar, sempre e sempre, pois teu canto e tua luz iluminam as trevas que por vezes se abatem em meu viver...
Uma Flor Vermelha que já fez parte de teu Jardim Sagrado

Milena Marinho disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.